Lucios lança projectos chave-na-mão | Entrevista a Filipe Azevedo

FILIPE AZEVEDO, administrador da construtora Lucios, explica no que consiste a nova área de negócio da empresa, que aposta num produto ‘chave-na-mão’.

O que levou a Lucios a apostar num novo modelo de negócio?
Na verdade, ao longo destes 75 anos de história, fomos, em função dos ciclos de mercado, realizando projectos de promoção imobiliária, sobretudo na área residencial.
Foi, no fundo, por um lado, percebendo as oportunidades do mercado, e, por outro, capitalizando quer toda a experiência em projectos de promoção, construção e reabilitação, quer as valências das várias empresas do grupo, que entendemos poder criar uma oferta de valor acrescentado para investidores e exploradores, tendo desta forma criado a Lucios Real Estate.

No que consiste, em concreto, o projeto ‘chave na mão’?
Com uma solução chave-na-mão, assumimos a condução e execução de todo o processo, garantindo ao cliente a entrada em funcionamento do imóvel, na data contratada.
Desta forma, temos capacidades internas para executar o procurement e a aquisição do imóvel, o financiamento do projecto, o desenvolvimento e licenciamento de projectos, a construção e o licenciamento do edifício e da actividade, cumprindo os requisitos do cliente em termos de capacidade, requisitos funcionais, qualidade e prazos.
Além das competências técnicas temos a capa cidade de integração dos serviços de empresas do grupo (central de betão, carpintaria, materiais de construção, domótica, etc.), o que nos tem garantindo a apresentação de propostas
de valor extremamente competitivas.

Qual o valor que estimam investir neste novo modelo de negócio?
Até ao momento a Lucios investiu cerca de 150 milhões de euros em projectos ‘chave-na-mão’.

Já têm projectos à luz desta nova área da empresa?
Sim, temos projectos em fase de exploração, em fase de construção e vários outros em fase de licenciamento.
Neste momento, na área da hotelaria, podemos destacar o caso do The House Ribeira Hotel e do Almalusa Boutique Hotel, onde, em ambos, além de promotores temos também uma participação enquanto investidores. Também
a espanhola Catalonia Hotels & Resorts, que contará com a sua primeira unidade hoteleira em Portugal, na antiga Pensão Aviz no Porto, confiou na Lucios para assegurar todo o processo imobiliário, desde a aquisição do imóvel, a execução do projecto, licenciamento, construção, assessoria e consultoria, um projecto que contou com um  investimento de 14 milhões de euros. Ainda na área da hotelaria, estamos a avançar com um hotel do Grupo Accor, sito da Rua do Bonjardim e um outro, muito bem localizado na Praça Carlos Alberto.
Temos ainda vários projectos nos sectores residencial, hoteleiro e de serviços que se encontram em fase de montagem de negócio e licenciamento. No segmento industrial, a francesa Mecachrome, produtora de peças
metálicas para a aeronáutica, colocou nas nossas mãos toda a execução do projecto.

Ver mais:

In Publituris Hotelaria | 01-10-2018

 

Lucios Real Estate entra no mercado imobiliário | In Vida Económica

No ano em que comemora 75 anos, a Lucios vira as suas atenções para um novo setor de atividade.

A Lucios Real Estate conta com um investimento de 150 milhões e tem em carteira alguns dos projetos imobiliários
mais importantes dos próximos anos, no Porto.
Refl exo da postura atenta e proativa do Grupo Azevedo’s no mercado, a Lucios Real Estate é uma das principais novidades do ano 2018 no panorama imobiliário nacional. Responsável por projetos ‘chave na mão’, concessões e projetos imobiliários, a empresa dispõe já de 100 colaboradores fi xos dedicados a esta área de negócio.
Na tentativa de completar as áreas da construção e reabilitação, a Lucios começou a dedicar-se à comercialização
de projetos nos segmentos Residencial, Retail e Escritórios, nos anos 90.

Do vasto portefólio, destacam-se obras como o histórico edifício da baixa do Porto, o Passeio das Cardosas, na vertente Residencial, o Mercado Beira-Rio, localizado em Vila Nova de Gaia, em Retail, e o Via Norte Trade Center, na Maia, na vertente de Escritórios.

Este ano a empresa aplica toda a sua experiência e reforça a aposta no setor Residencial, com a construção e promoção de dois importantes empreendimentos de luxo na cidade do Porto. Com localizações privilegiadas
perto da natureza e do centro, o Essenza, junto ao Parque da Cidade, e o Montevideu Six Villas, na Foz, prometem
atrair compradores de diferentes nacionalidades.

O investimento próprio ronda os 40 milhões de euros.
A Lucios Real Estate tem ainda em carteira outros importantes projetos.

 

Construtora Lucios entra em força no mercado imobiliário | in Jornal Económico

No total foram investidos 150 milhões de euros no novo setor de atividade da empresa. Uma área que a Lucios acredita poder responder por 60% do volume total de faturação da empresa.

No ano em que comemora 75 anos, a Lucios vira as suas atenções para um novo setor de atividade: a Lucios Real Estate conta com um investimento de 150 milhões de euros e tem em carteira alguns dos projetos imobiliários mais importantes dos próximos anos, no Porto, refere a empresa em comunicado.

Reflexo da postura do Grupo Azevedo’s no mercado, “a Lucios Real Estate é uma das principais novidades do ano 2018 no panorama imobiliário nacional. Responsável por projetos ‘chave na mão’, concessões e projetos imobiliários, a empresa dispõe já de 100 colaboradores fixos dedicados a esta área de negócio”.

Mercado Beira-Rio celebra o seu primeiro aniversário | in echoboomer.pt

Inaugurado a 13 de setembro de 2017, o emblemático Mercado Beira-Rio, localizado junto ao Rio Douro, em Vila Nova de Gaia, está a comemorar o primeiro aniversário. Para a festa, que se vai prolongar até 15 de setembro, quer mostrar que preserva a missão do primeiro dia – manter viva a tradição dos mercados portugueses em sintonia com uma experiência gastronómica contemporânea.

Todos os dias, durante uma semana, o Mercado Beira-Rio vai prestar homenagem a uma parte da cultura portuguesa, mostrando porque é considerado uma verdadeira montra do melhor que se faz no país. Todos os restaurantes residentes serão convidados para a festa, mostrando não só o seu talento, como também novas propostas gastronómicas para que as celebrações sejam feitas à mesa. Há ainda atuações diárias, devidamente enquadradas no conceito do aniversário.

Ontem foi o primeiro dia de festa, que celebrou o sentimento mais português de todos – a saudade. No Dia da Saudade cantou-se fado pela voz de Raquel Rego, acompanhada pelo som inigualável da guitarra portuguesa, pelas mãos de Rui Ribeiro. Estiveram em destaque os doces e chocolates da histórica Arcádia, os queijos e enchidos portugueses selecionados criteriosamente pela Queijaria Portuguesa e, por fim, as provas de vinho nacional no espaço Zero Trinta e Três.

Segue-se hoje o Dia do Mar que colocará em destaque toda a riqueza gastronómica da nossa costa. Neste dia, as atenções estarão viradas para marisco da lota de Matosinhos do restaurante Mais Mar e para as diferentes receitas de bacalhau do Bacalhau do Porto, ambos restaurantes com a carta assinada pelo chef Manuel de Almeida. O Dia do Mar encerra com a atuação da Associação Recreativa “Os Mareantes do Rio Douro“.

Segue-se o Dia dos Descobrimentos, onde serão recordadas as travessias dos navegadores portugueses e a procura por novas experiências, culturas e sabores – uma das principais missões também do Mercado Beira-Rio. A inspiração italiana das focaccias da Piadina Mia, as iguarias à moda holandesa do Kroquet, os doces brasileiros do Brigadão ou as sobremesas da Miss Pavlova são alguns dos paladares a não perder neste dia, que conta, ainda, com a atuação do português Tommy Hogg, filho de pais ingleses.

Em homenagem à dança portuguesa e aos sabores que bailam no palato, a semana de aniversário inclui ainda o Dia do Baile. Pelos pares de sucesso que unem no prato, neste dia o destaque gastronómico vai para os hambúrgueres reinventados da Alta Burguesia, os petiscos com costela alentejana do Barriga Negra e o leitão do Forno do Leitão do Zé. O espetáculo do dia está a cargo do Grupo Folclórico Tradições do Baixo Douro.

A fechar as comemorações do aniversariante, está o Dia do Campo, um dia em que se valorizam os produtos que crescem em solo nacional. As carnes 100% nacionais do talho da casa, as frutas e legumes frescos das vendedoras que resistiram à passagem do tempo e a comida vegetariana do daTerra vão estar em evidência.

O momento alto aniversário do Mercado Beira-Rio está marcado para o dia 13 de setembro, quinta-feira, a partir das 17h, altura em que será oferecido um Porto de Honra a todos os visitantes. O duo Andor Violeta, conhecido pelas versões pop/acústicas de bandas de todos os tempos, garante a animação do dia.

 

Lucios reforça aposta em projetos “chave na mão” | in Engenharia e Construção Online

A Lucios anunciou um reforço na sua carteira de investimentos no setor imobiliário, com especial atenção para a hotelaria, numa aposta focada num novo modelo de negócios, os projetos “chave na mão”. Este modelo de negócio funciona como uma interface entre a oferta de imóveis e a procura de exploradores e investidores, e a Lucios acredita que ascenda a 60% do volume total de faturação da empresa. Nos próximos dois anos a empresa vai investir 40 milhões de euros em projetos hoteleiros em Lisboa e Porto.

Segundo afirma a construtora de Vila do Conde, através deste conceito assegurará todo o processo imobiliário, procurando oportunidades de negócio e direcionando-as de forma personalizada a cada cliente, desde a aquisição do imóvel, a execução do projeto, licenciamento, construção, assessoria e consultoria. Será ainda garantida a assistência e manutenção do edifício no processo pós-venda.

Filipe Azevedo, administrador da Lucios, esclarece que se trata de uma “resposta ao mercado, que regista atualmente uma grande procura por investidores estrangeiros, sobretudo por negócios no Porto e em Lisboa. Através da criação de uma solução ‘chave na mão’, com integração de vários serviços no mesmo projeto, permitimos que os investidores entrem no mercado português de forma organizada e sustentável”.

Os projetos chave na mão são já um sucesso na Lucios, registando elevada procura nos últimos meses. A empresa tem vários projetos em curso, destacando-se a entrada do grupo espanhol Catalonia Hotels & Resorts na cidade do Porto (no emblemático edifício da antiga Pensão Aviz, junto à Praça da Batalha), a entrada do grupo Accor na Rua do Bonjardim, e ainda a negociação de um projeto na Praça Carlos Alberto, também na cidade do Porto, que tem já várias propostas.

Lucios investe 40MEUR em projectos hoteleiros | in Publituris Hotelaria

No ano em que assinala o 75º aniversário, a Lucios Construção e Engenharia reforça a sua carteira de investimentos no sector imobiliário, com especial atenção para a hotelaria. Em destaque está a aposta num novo modelo de negócios, assente em projectos “chave na mão”, num investimento de 40 milhões de euros.

Através deste conceito, a construtora portuguesa assegura todo o processo imobiliário, procurando oportunidades de negócio e direccionando-as de forma personalizada a cada cliente, desde a aquisição do imóvel, a execução do projecto, licenciamento, construção, assessoria e consultoria. É ainda garantida a assistência e manutenção do edifício, no pós-venda.

De acordo com o Eng.º Filipe Azevedo, administrador da Lucios, “esta é a nossa resposta ao mercado, que regista actualmente uma grande procura por investidores estrangeiros, sobretudo por negócios no Porto e em Lisboa. Através da criação de uma solução ‘chave na mão’, com integração de vários serviços no mesmo projecto, permitimos que os investidores entrem no mercado português de forma organizada e sustentável.”

Com maior expressão no sector hoteleiro, os projectos “chave na mão” são já um caso de estudo para a Lucios, dada a elevada procura registada nos últimos meses. Há já vários projectos em curso, destacando-se a entrada do importante grupo espanhol Catalonia Hotels & Resorts na cidade do Porto (no emblemático edifício da antiga Pensão Aviz, junto à Praça da Batalha), a entrada do grupo Accor na Rua do Bonjardim, e ainda a negociação de um projecto na Praça Carlos Alberto, que tem já várias propostas na mesa, também na cidade do Porto.

Funcionando como uma interface entre a oferta de imóveis e a procura de exploradores e investidores, a Lucios acredita que esta nova área de negócio totalize 60% do volume total de facturação da empresa.

 

Mota-Engil, ABB e consórcio da Lucios querem Matadouro do Porto | in Público

Júri deverá apresentar até ao final de Abril um relatório preliminar, em que já será possível identificar o vencedor, caso não haja contestação.

A Câmara do Porto já divulgou quem são os três concorrentes que vão disputar a reabilitação total e gestão parcial do antigo Matadouro Industrial da cidade – um projecto-âncora para a zona de Campanhã, apresentado há cerca de dois anos. Segundo uma informação colocada na página da internet da autarquia foram aceites a concurso as empresas Mota-Engil, Engenharia e Construção, SA, a Alexandre Barbosa Borges, SA (ABB) e o agrupamento de empresas Alberto Couto Alves, SA e Lúcio da Silva Azevedo & Filhos, SA (Lucios). Os resultados preliminares sobre o vencedor são esperados para o final de Abril.

É para essa data que se espera uma decisão preliminar do júri, apontando já para a proposta mais bem posicionada segundo o modelo de avaliação apresentado. Os concorrentes terão, então, a possibilidade de apresentar pronúncias ou reclamações, seguindo-se a decisão final do júri, confirmando ou não o vencedor aquando do relatório preliminar.

Este terá então a responsabilidade de desenvolver o projecto de reconversão do antigo Matadouro, orçado em cerca de 15 milhões e com um prazo de execução de obra de cerca de dois anos, precedido de sete meses destinados à conclusão do projecto. O vencedor do concurso fica ainda, durante 30 anos, com a exploração de grande parte dos 20.500 metros quadrados do equipamento, ficando apenas 9200 destes metros quadrados sob a gestão da empresa municipal GO Porto.

O programa previsto para o Matadouro prevê a reabilitação de grande parte do equipamento, havendo algumas estruturas demolidas. Está também projectada a construção de um novo edifício, nas traseiras do terreno, a partir do qual será aberta uma nova ligação directa ao metro e ao parque de estacionamento do Estádio do Dragão.

O município, através da Go Porto, terá a gestão dos espaços culturais e sociais – como o Museu da Indústria, um espaço museológico da memória do próprio edifício, espaços de residências artísticas, um auditório e oficinas – ficando o vencedor do concurso com a concessão da área mais vasta, destinada a empresas e comércio.

Quando o programa de concurso foi apresentado à vereação, no ano passado (ainda durante o anterior mandato), o vereador Ricardo Valente afirmou que, apesar de estar previsto que o município pague ao concessionário pelo uso dos espaços que irá gerir, esse valor poderá ficar “a custo zero”, uma vez que o concessionário também terá que pagar à Go Porto pelo uso do imóvel que se manterá como propriedade municipal.

In, Publico

Catalonia Hotels & Resorts chega a Portugal | in Dinheiro Vivo

Cadeia hoteleira vai abrir no Porto, numa parceria com a construtora Lucios.

A Catalonia Hotels & Resorts, uma das principais cadeias em Espanha, vai iniciar operações no mercado português já em 2020. O Porto foi a cidade escolhida para esta estreia, na sequência de uma parceria com a construtora Lucios, especialista em reabilitações urbanas.

O negócio “afirma a nova estratégia da Lucios Engenharia e Construção para o setor imobiliário”, com a introdução de um novo modelo de negócios assente em projetos ‘chave na mão’, com a construtora a assegurar todo o processo imobiliário, desde a aquisição do imóvel, a execução do projeto, licenciamento, construção, assessoria e consultoria, destaca a empresa em comunicado.

“Esta nova estratégia permite-nos adaptar às novas exigências do mercado, que regista, atualmente, uma grande procura por investidores estrangeiros. Através da conceção destes projetos chave na mão, podemos entregar ao cliente um serviço com valor acrescentado, garantindo, em simultâneo, que a sua entrada no mercado português é sustentável”, destaca Filipe Azevedo, administrador da Lucios, assumindo que o objetivo é que esta nova área assegure 40% do volume de negócios da construtora.

O projeto representa um investimento de 14 milhões de euros da Catalonia Hotels & Resorts, que inclui, entre outros serviços, a aquisição de cinco imóveis da zona histórica do Porto (propriedade da Lucios) e os trabalhos de reabilitação. As obras vão durar entre 18 a 24 meses, prevendo-se a inauguração em 2020. O diretor de expansão da Catalonia Hotels & Resorts reconhece que a entrada no mercado português é uma “ambição antiga”, com o grupo a continuar à procura de novas oportunidades, tanto no Porto como em Lisboa.

“Ambas as cidades são destino de elevado interesse turístico e com um enorme potencial de rentabilidade, pelo que não poderiam estar fora da nossa atual política de expansão internacional”, diz Federico Holzmann. A primeira unidade da Catalonia Hotels & Resorts em Portugal terá 86 quartos, jardim, piscina interior, SPA, salas de reuniões e outros serviços.

O grupo tem, atualmente, 68 unidades em cinco países diferentes: 56 em Espanha, dois na Bélgica (Bruxelas), um na Alemanha (Berlim) e um na República Dominicana (Santo Domingo), onde conta, ainda, com quatro resorts, a que acrescem outros quatro no México.

 

In Dinheiro Vivo.